3274-0104 - 3402-3721 - VIVO 9188-9889 - TIM 9602-2284 contato@jornalfolhadobatel.com.br

Le Petit Marché: uma loja que colabora ideias

Por Hellen Albuquerque

Ao explorar Florianópolis, encontrei entre os pequenos bares do Centro uma rua que guarda o início de uma transformação como vimos acontecer na Rua São Francisco ou na Trajano Reis.

Habitada por criativos e aqueles que buscam mais interação com sua cidade, a Rua Tiradentes se destaca entre o cinza agitado da região. Ali, entre prédios esquecidos, a vitrine da Le Petit Marché grita em cores por atenção.

A Petit Marché abriu suas portas em 2013, num espaço pequeno que se dedicava a reunir criadores de moda autoral. Como conta sua idealizadora, FranRudolfo: “A loja surgiu da minha vontade pessoal em buscar peças diferentes das que via, que pareciam sempre iguais umas das outras”.

Depois de um ano, mais pessoas foram se unindo ao projeto da loja colaborativa. Todos independentes, com produções artesanais e por isso, lineares à responsabilidade social.

“O propósito da Petit nesses últimos anos foi se concretizando, para um espaço onde todos pudessem trocar figurinhas e juntos, crescerem ainda mais!”, diz Fran.

A cooperação é também de conhecimentos, trocando as expertises de cada estilista, cada marca, eles ensinam uns aos outros o que sabem.“Isso torna a Petit um espaço para troca de ideias, que realmente pode fomentar novos designers”, completa.

A loja tem oretrô em seu DNA, por isso a curadoria gira em torno deste estilovintage, casando diferentes designers com propostas parecidas. A geografia não é empecilho, mesmo localizada emFloripa, lá estão estilistas de outros estados e agora até mesmo da Argentina.

A premissa, é o cuidado com os processos produtivos, desde os fornecedores à valorização da mão de obra, seja na estamparia, facções ou distribuição… Até chegar às mãos do consumidor final: “Prezo por aqueles que sempre que possívelusem produtos, matéria prima, recursos e capital humano locais, que possam criar um sistema de produção saudável, fomentando o comércio justo da região”, explica a curadora.

Além de um acervo exclusivo e peças que prezam pela qualidade,aqueles que adentram as paredes coloridas da loja, contribuem a um movimento que busca transformar através dos próprios hábitos, o espaço onde vive. “O consumidor está mais consciente e procura saber da onde vem e como são confeccionados os produtos que consome e por isso, espaços como a Petit tem ganhado destaque!”, finaliza.

As fotos
Em uma praia secreta da Joaquina, em Florianópolis, encontramos uma paisagem sem igual. Com registros de Leonardo Almada, as peças ganham uma luz especial. A produção ficou por conta das minhas tradicionais transições cromáticas e a assistência foi feita por Thiago Panegace. Em frente das lentes, Luana Soares, modelo da agência StationModels. Agradecimento especial aos bookers, Tiago Cegatta e Rafael Moura.

© Leonardo Almada .com.br 2016

© Leonardo Almada .com.br 2016

© Leonardo Almada .com.br 2016