3274-0104 - 3402-3721 - VIVO 9188-9889 - TIM 9602-2284 contato@jornalfolhadobatel.com.br

Por Hellen Albuquerque

A roupa que você comprou durante a primavera, claramente está ultrapassada com a chegada do verão. E não é pela mudança de temperatura, mas sim pela troca constante das araras.

Essa massificação da moda surgiu durante os anos 90. O Fast (rápido, em inglês) Fashion fez as roupas ganharem caráter de indústria. Produções em larga escala, preços mais baixos, design contemporâneo e uma qualidade questionável são os ingredientes da receita. Elas não são feitas para durar, apenas para despertar o desejo. É como comer um chocolate baratinho apenas para ficar com mais ainda mais vontade de açúcar.

Tudo muda a cada dois meses, e é esperado que tão logo a blusa do mês não esteja mais na loja, corramos todos para adquirir sua substituta. Não, não tem nada surpreendente, mas é novo, logo, deve ser comprado. Sinto um extremo desespero ao entrar em uma grande loja e depois de encontrar uma peça ver suas outras mais duzentas cópias, esperando por mais duzentas . Não é a toa que algumas marcas de blusas de moletom são zombadamente chamadas de uniformes (Universidade GAP ou HOLLISTER ao seu dispor). A padronização é absurda.

Não é uma questão de buscar exclusividade, mas aquilo não foi feito pra mim, não foi feito pra ninguém. Moda é identidade. Que representação uma roupa com tantas cópias tem?

O Slow (devagar, em inglês) Fashion vem contra a maré. Defende a fabricação de roupas duráveis independente da estação, buscando atender a individualidade de cada consumidor, além de se atentar a uma produção com sustentabilidade integral (econômica e ambiental).

O Slow Fashion se enquadra mais como um movimento, do que como uma forma de produção. É se colocar como crítico do seu próprio consumo, pensando nas reais necessidades e nas formas de comprar sem agredir o que está a sua volta. Favorecer os artesãos que passam meses modelando suas roupas; seja no tricô, crochê ou outras artes manuais. Reaproveitar o cardigã da sua avó ou comprar uma peça em um brechó do seu bairro. Mas principalmente ir contra uma ditadura que lhe diz o que comprar e vestir, quando fazê-lo e onde.

Detesto fast fashion, comodetesto fast food. Os dois são igualmente sem tempero, sem originalidade, buscando os fornecedores e mãos de obra mais baratos e os consumidores mais desatentos e com pressa.

Antes de mudar o guarda roupa, respire fundo, devagar é mais gostoso.